C

oncertos Educação/Cultura

O Subprograma «Concertos Educação/Cultura» é uma iniciativa conjunta dos Ministérios da Educação e da Cultura e visa proporcionar aos alunos dos 1.º e 2.º ciclos do Ensino Básico o contacto com o mundo da música erudita e a o acesso à música enquanto arte, aspetos fundamentais da Educação Musical. Concretiza-se através de uma parceria entre o Programa de Educação Estética e Artística (PEEA) da Equipa de Educação Artística (EEA) da Direção-Geral da Educação (DGE) e a Metropolitana, permitindo disponibilizar um programa de concertos e ensaios comentados, dirigidos aos Agrupamentos de Escolas (AE) envolvidos no PEEA.

O recurso à música sinfónica prende-se (…) com a convicção da importância da diversidade tímbrica que a orquestra encerra em si e pela multiplicidade de fontes sonoras que podem produzir som em simultâneo.1

Mesmo as crianças mais pequenas são capazes de desenvolver o pensamento crítico através da música. (Vasconcelos, 2006:5)2

1. Vasconcelos, A.A.(2006). Ensino da Música: 1º ciclo do ensino básico – orientações programáticas. Lisboa: Ministério da Educação / Direção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

2. Pernes, Miguel (2012), in Foco Musical –Educação e Cultura.

2016/2017

No primeiro ano de parceria, os programas foram dirigidos aos alunos dos AE Ordem de Sant´Iago, Caparica, Leal da Câmara, Agualva Mira Sintra e Vouzela. Os concertos decorreram, respetivamente, nos dias 2 e 4 de novembro e 9 de dezembro de 2016, no Fórum Luísa Todi, em Setúbal, no Grande Auditório da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

O primeiro programa foi composto pela Abertura A Grande Páscoa Russa de N. Rimsky-Korsakov, o Concerto para tuba e orquestra de R. Vaughan Williams e a Suíte Quebra-nozes de P. Ilitch Tchaikovsky. O encantamento com o diálogo musical dos instrumentos foi sentido especialmente com a música de Tchaikovsky, e, em particular, na Valsa das Flores.

(…) Foi interessante este “ reino dos doces”, disse-nos um jovem, que no início estava um pouco des(concertado) e adiantou-nos que pensava mesmo que iria estar ali a “aguentar” aquela hora, mas tinha ficado realmente entusiasmado com “aquela música” que nunca tinha ouvido, referindo ainda que “era bom ter uma tarde diferente. Não resistimos a pergunta-lhe: aprendeste algo em especial?” A resposta foi pronta: “aprendi também a ouvir o silêncio”.

Alunos dos AE Ordem de Sant´Iago, Caparica, Leal da Câmara, Agualva Mira Sintra e Vouzela.

O segundo concerto contou com música de Câmara pelos Solistas da Metropolitana - Quinteto de Metais, que levaram até ao Monte da Caparica os Ventos de Espanha perante uma plateia de crianças do Agrupamento de Escolas da Caparica.

“(…) Em pouco menos de meia hora, viaja-se assim por terras das Astúrias e de Aragão, desce-se até Sevilha, Cádiz e Granada. São também recordados curtos «tesouros» do repertório da Zarzuela e… España, um verdadeiro «postal ilustrado» do compositor francês Emmanuel Chabrier”.

Alunos do AE da Caparica.

O Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, no dia 9 de dezembro de 2016, encheu-se de alunos vindos dos Agrupamentos de Escolas Leal da Câmara, Agualva Mira Sintra e Vouzela, para assistiram ao Ensaio Comentado com a Orquestra Académica Metropolitana. Porque se tratava de um Ensaio Geral, escutaram atentamente a música que ia sendo interrompida com as pausas e comentários do maestro Jean-Marc Burfin. Foi-lhes dado a perceber que, tal como nas outras disciplinas a música é um trabalho laborioso, que exige muita atenção, concentração, e, acima de tudo, enorme cooperação num trabalho que é conjunto.

Esta iniciativa abrangeu 950 alunos e 118 docentes. Num dos concertos, alguns encarregados de educação manifestaram interesse em assistir. Também a surpresa foi grande, em muitos casos, pois a expetativa de alguns de não gostarem da dita “música clássica” ou da formalidade dos espaços que acolhem estas performances, revelou-se, no final, uma consciencialização de que “vale a pena ouvir [outras músicas]”. Se considerarmos o papel dos pais como elementos essenciais na formação cultural e na construção do desenvolvimento dos jovens, verificamos que estamos “verdadeiramente” a alargar os horizontes culturais de todos.

2017/2018

No ano letivo 2017/2018 a primeira fase do programa teve início no mês de novembro e decorreu na sede da Metropolitana e no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa permitindo a alunos e professores terem contacto com a Orquestra e com o ambiente musical barroco de compositores como A. Vivaldi e J. Haydn. De forma a potenciar a curiosidade e interesse dos alunos, bem como a facilitar uma participação mais contextualizada, foi solicitado aos professores uma preparação prévia para os encontros, baseada num “Guião de Audição” disponibilizado pela Metropolitana.

Estiveram envolvidos nestes encontros/concertos de novembro cerca de 300 alunos e professores de vários Agrupamentos de Escolas (AE) onde o PEEA foi implementado em anos anteriores: Elias Garcia- Almada, Abrantes Nº2, João de Deus- Faro, Viso, Viseu Norte e Infante D. Henrique- Viseu, Alberto Iria- Olhão e Bemposta- Portimão.

Nos dois concertos do mês de janeiro, na sede da Orquestra Metropolitana e no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, o programa foi constituído pela Sinfonia em Ré Menor, FWV 48 de C. Franck  César Frank. A interpretação foi da Orquestra Académica Metropolitana tendo sido previamente disponibilizado o “Guião de Audição” para preparação dos ensaios/concertos.

Nestes ensaios/Concerto participaram cerca de 350 alunos e respetivos professores dos AE: Ibn Mucana- Cascais, Pedro Jacques de Magalhães, Alves Redol e Forte da Casa -- Vila Franca de Xira e Aquilino Ribeiro-Oeiras.

Esta parceria proporcionará durante o mês de maio a realização de mais dois “Encontros Musicais”. O primeiro, dia 3 de maio, no Auditório do Agrupamento de Escolas Francisco Arruda – Lisboa, para 75 alunos e professores deste AE e o segundo, dia 24 de maio, no Auditório da Junta de Freguesia de Benfica, para cerca de 110 alunos do Agrupamento de Escolas Quinta de Marrocos – Lisboa. Os solistas da Orquestra Metropolitana deslocar-se-ão às escolas juntamente com o musicólogo Rui Campos Leitão.

Todos estes encontros/concertos foram acompanhados por Rui Campos Leitão que além de acolher e orientar os alunos e professores, deu resposta a muitas das questões que foram surgindo de forma espontânea, ajudando a desvendar um pouco do que está nos “bastidores” de todo um processo de construção que, começando pelo estudo e trabalho individual de cada um, resulta num coletivo através do qual vamos descobrindo, também com o poder do silêncio, diferentes universos sonoros.

Este site foi otimizado para os seguintes browsers e versões superiores: Firefox 11 para Mac OS e Windows | Internet Explorer 10 para Windows | Apple Safari 5 para Mac OS | Chrome para Mac OS e Windows