P

rimeiro Olhar | Programa Integrado de Artes Visuais

O "Primeiro Olhar - Programa Integrado de Artes Visuais" é uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) que visa promover ações educativas no Museu Calouste Gulbenkian e no Centro de Arte Moderna – José de Azeredo Perdigão (CAM) desenvolvendo múltiplos aspectos da experiência estética e artística nas artes visuais, envolvendo crianças e adultos.

Inicialmente, quando foi criado em 1997 pelo Serviço de Educação da Fundação Calouste Gulbenkian, destinava-se exclusivamente a crianças, mas em 1999 estendeu-se também a adultos iletrados numa tentativa de fazer chegar as artes visuais a todos os públicos.

Mais do que um livro, o "Primeiro Olhar" é um recurso pedagógico no âmbito da educação estética e artística, destinado a educadores de todos os graus de ensino, que contém propostas relativas à pedagogia das artes visuais e à educação em contexto dos museus de arte. Por isso mesmo, tem a designação de "Caderno do Professor".

"O Programa Primeiro Olhar procura abrir algumas portas que dão acesso ao prodigioso universo das obras de arte, para que cada pessoa, desde a infância, possa usufruir a riqueza espiritual nelas acumulada. O título do Programa fala em olhar, não em fazer. De facto, o Programa ocupa-se menos da atividade oficinal e mais da usufruição, ambicionando que esta se processe de modo tão inteligente e sensível quanto possível. (...) Neste Programa, a atividade oficinal pretende simplesmente satisfazer o desejo espontâneo das crianças que, ao apreciarem as obras dos Mestres, querem praticar. Como dizia o pintor Edgar Degas, um bom desenho é aquele que dá vontade de desenhar também. As atividades previstas para estes momentos de vontade de expressão, que se não deve reprimir, antes pelo contrário, são propositadamente elementares, acessíveis às crianças mais novas (e aos adultos inexperientes no âmbito das artes), porém, sem nenhum culto infantilista." (*)

«Professor – Antes de fazer esta pintura Nadir teve de praticar muito; fez com régua e esquadro para estar tudo certinho. Gostava de ouvir mais coisas.

Crianças – Se fôssemos dividir o quadro dividia-se em três partes; tem poucas cores; o fundo é branco; as figuras geométricas estão na posição vertical, horizontal e diagonal; as figuras estão encadeadas; existe um certo ritmo; as figuras não estão acabadas; tem linhas fechadas e linhas abertas; pode continuar-se e por isso se chama Espacilimitado. Está muito cheio. As formas geométricas estão preenchidas com várias cores. Nadir aproveitou o fundo branco para destacar as formas geométricas.»

[Excerto do diálogo: “Peças de Dominó que se encadeiam” estabelecido com crianças com idades compreendidas entre os 9 e os 10 anos, sobre o Quinto Percurso do Programa Primeiro Olhar] (*)

O Programa “Primeiro Olhar” engloba quatro áreas de estudo integradas, através das quais os diferentes aspetos subjacentes às próprias obras de arte e à educação estética visual podem ser estudados e explorados:

  Filosofia da arte

  História da Arte

  Crítica de Arte

  Criação Plástica

O Programa integra 8 roteiros temáticos (percursos) com trinta e quatro obras de arte selecionadas a partir das coleções do Museu Gulbenkian e do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão.

Estas obras de arte representam diferentes culturas, épocas e modalidades expressivas. Deste modo, foi possível criar unidades temáticas por percurso, tais como retrato, ilustração, figuração, código cromático, forma e signo, volume, espaço, metamorfose e metáfora.

Oito Percursos

  1. Duas Famílias Estilísticas
  2. Impulsividade do Traço – Mancha Livre
  3. Sentido das proporções e Arabesco – Figura humana, Pares
  4. Cor digitalizável
  5. Apuramento da Forma – Encadeamento
  6. Volume e Espaço
  7. Metamorfose e Metáfora
  8.  Integração – Cor

Processo Comparativo

O método comparativo é largamente utilizado numa dimensão investigativa. As obras de arte são comparadas com a intenção de serem encontradas semelhanças e diferenças, formais, estilísticas e temáticas.

Na escola, com o professor, ou no espaço da FCG com monitores, os participantes trabalham 34 reproduções de obras de arte do espólio da Gulbenkian – pintura, desenho ou escultura – da pré-história à modernidade.

A comparação entre duas obras no contexto de cada percurso constitui a motivação para um diálogo argumentativo que facilita a compreensão e a expressão.

Os participantes observam, comparam e, com a ajuda dos monitores e professores, procuram chegar a conclusões sobre as temáticas, os estilos e os aspetos formais das obras. Primeiro olham, depois é que começam a ver e há sempre coisas novas que vão descobrindo.

"A estratégia educativa, desenvolvida através do diálogo, centra-se num processo amplo de debate e problematização do conteúdo global das obras, de modo a levar os sujeitos à descoberta progressiva dos seus elementos estruturais, permitindo uma construção do conhecimento, através de um exercício de argumentação sistemático, e de situações dilemáticas." (*)

O Primeiro Olhar - Programa Integrado de Artes Visuais segue um modelo desenvolvido pelo crítico de arte Rui Mário Gonçalves; um modelo que pode vir a ser aplicado em qualquer outro museu, considera Natália Pais, antiga Diretora do Serviço de Educação da FCG.

O "Primeiro Olhar" só termina quando as crianças têm a oportunidade de ver "ao vivo" as obras e objetos que trabalharam. O último dia é dedicado a visitar o Centro de Arte Contemporânea da FCG e o Museu.

(*)

Fonte | GONÇALVES, Rui Mário; FRÓIS, João Pedro; MARQUES, Elisa. (2002). Primeiro Olhar – Programa Integrado de Artes Visuais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 13, 16 e 69.

Fonte | Revista Noésis nº 52

Este site foi otimizado para os seguintes browsers e versões superiores: Firefox 11 para Mac OS e Windows | Internet Explorer 10 para Windows | Apple Safari 5 para Mac OS | Chrome para Mac OS e Windows